10 fevereiro, 2019

Alerta aos empregadores que não recolhem o FGTS!

Talvez nem todos saibam, mas existem penalidades para os empregadores que não recolhem o FGTS.

A fiscalização do FGTS não costumava levar a regra legal aos extremos, mas com o eSocial esta realidade mudará.

Leia o que consta nos artigos 50 a 52 do Decreto 99.684/90.

Art. 50. O empregador em mora para com o FGTS não poderá, sem prejuízo de outras disposições legais (Decreto-Lei n° 368, de 14 de dezembro de 1968, art. 1°):

I – pagar honorário, gratificação, pro labore, ou qualquer tipo de retribuição ou retirada a seus diretores, sócios, gerentes ou titulares de firma individual; e

II – distribuir quaisquer lucros, bonificações, dividendos ou interesses a seus sócios, titulares, acionistas, ou membros de órgãos dirigentes, fiscais ou consultivos.

Art. 51. O empregador em mora contumaz com o FGTS não poderá receber qualquer benefício de natureza fiscal, tributária ou financeira, por parte de órgão da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios, ou de que estes participem (Decreto-Lei n° 368, de 1968, art. 2°).

  •   1° Considera-se mora contumaz o não pagamento de valores devidos ao FGTS por período igual ou superior a três meses, sem motivo grave ou relevante, excluídas as causas pertinentes ao risco do empreendimento.
  •  2° Não se incluem na proibição deste artigo as operações destinadas à liquidação dos débitos existentes para com o FGTS, o que deverá ser expressamente consignado em documento firmado pelo responsável legal da empresa, como justificação do crédito.

Art. 52. Pela infração ao disposto nos incisos I e II do art. 50, os diretores, sócios, gerentes, membros de órgãos fiscais ou consultivos, titulares de firma individual ou quaisquer outros dirigentes de empresa estão sujeitos à pena de detenção de um mês a um ano (Decreto-Lei n° 368, de 1968, art. 4°).

Parágrafo único. Apurada a infração prevista neste artigo, a autoridade competente do INSS representará, sob pena de responsabilidade, ao Ministério Público, para a instauração da competente ação penal.

Fica claro que o empregador que não honrar os recolhimentos do FGTS poderá perder benefícios de natureza fiscal – o Simples Nacional é um deles, não poderá pagar pró-labore ou qualquer tipo de retribuição a sócios.

ESOCIAL - 10 PRÁTICAS QUE VOCÊ JÁ DEVERIA TER COMEÇADO

E ainda há o risco de haver detenção de um mês a um ano.

ESOCIAL - 10 PRÁTICAS QUE VOCÊ JÁ DEVERIA TER COMEÇADO

Porém, no meu ponto de vista, há um erro grave no parágrafo único do artigo 52: a atribuição ao INSS de levar adiante o cumprimento da penalidade.

Se é o Ministério do Trabalho quem fiscaliza o recolhimento do FGTS – que está sob a gestão da Caixa Econômica Federal – por que o INSS estaria incumbido de tal atribuição?

Na realidade, poucas empresas são punidas pelo não recolhimento do FGTS, mesmo havendo o aumento substancial da arrecadação.

Tal fato deve-se porque a fiscalização eletrônica ainda não é nem metade do total de fiscalizações.

Entretanto, esta situação deve mudar com o eSocial e os órgãos fiscalizadores deverão ser mais atuantes.

Minha recomendação aos responsáveis pelos escritórios contábeis: repassem esta informação aos empregadores que estão em mora com o FGTS e recomende a regularização o quanto antes.

Este é um artigo retirado do livro eSocial nas Empresas e Escritórios Contábeis – Guia Prático para Implantação da Professora Zenaide Carvalho.

 

Um abraço,

Marileisa Gonçalves – Assistente de Conteúdo Nith Treinamentos.

Fica autorizada a publicação e o compartilhamento desde que citadas autora e fonte: www.zenaide.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *